Segunda-feira, 25 de Agosto de 2008

Prelúdio

Quando o descobridor chegou à primeira ilha

nem homens nus

nem mulheres nuas

espreitando

inocentes e medrosos

detrás da vegetação.

 

Nem setas venenosas vindas no ar

nem gritos de alarme e de guerra

ecoando pelos montes.

 

Havia somente

as aves de rapina

de garras afiadas

as aves marítimas

de vôo largo

as aves canoras

assobiando inéditas melodias.

 

E a vegetação

cujas sementes vieram presas

nas asas dos pássaros

ao serem arrastadas para cá

pela fúria dos temporais.

 

Quando o descobridor chegou

e saltou da proa do escaler varado na praia

enterrando

o pé direito na areia molhada

 

e se persignou

receoso ainda e surpreso

pensando n'El-Rei

nessa hora então

nessa hora inicial

começou a cumprir-se

este destino ainda de todos nós.


Poema de Jorge Barbosa

encontrado aqui

publicado por Crocodila Maria às 22:02
link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

tags

todas as tags

subscrever

fotos.sapo.cv

feedback

Uma preciosa ajuda para financiamento e sucesso da...
Este tipo de iniciativas é de valoriza e de repeti...
passaro de fogo   ccorreia87@hotmail.com &nbs...
a resposta é : «Pássaro de Fogo». Lenira, arinel-1...
Artistas de Cabo Verde: Nancy Vieira Manuel de Can...

posts recentes

Prelúdio

arquivo

autores

blogs SAPO